Oscar Gozzi aplica novo modelo de gestão

Apesar da pandemia do coronavirus, que insiste em desafiar os mais renomados cientistas de todo o mundo na busca de uma vacina eficaz que possa livrar as pessoas dessa terrível contaminação, uma pequena cidade da região trava a mesma luta na defesa da saúde de seus 15 mil habitantes, mas paralelamente faz grandes investimentos (50 milhões em 4 anos ou 13 milhões só no período da Covid 19, de janeiro a agosto de 2020, para mudar os velhos conceitos de tratamento de saúde e zerar as filas de exames. Só o ano passado, foram realizados cerca de mil procedimentos. Esta cidade é Tarumã que depois de construir um complexo de especialidades, se prepara para instalar o seu moderno  centro cirúrgico, com recursos que vieram de fora, e da ordem de 2,5 milhões de reais. O objetivo desse imenso esforço, é aumentar o Índice de Desenvolvimento Humano e a longevidade das pessoas.

Através dessa estratégia bem sucedido começam a surgir resultados bem sucedidos, como a redução em 45 por cento dos óbitos , com a redução das doenças não transmissíveis. O prefeito Oscar Gozzi corre atrás de verbas federais e estaduais para enfrentar esses desafios. E revela que depois do complexo de 16 especialidades mantido com dinheiro do município, agora chegou  hora de construir o Centro Cirurgico, moderno e bem equipado. É a prioridade para este quinto mandato. Ele informa que ao assumir o 4º. Mandato em 2016, fez um diagnostico dos problemas da saúde  e elaborou um planejamento em cima dessas prioridades, que é a linha mestra de todo o sistema. Eis o que ele fala de sua proposta para melhorar a saúde e a vida das pessoas.

“Quando nós nos propusemos a disputar  a chefia do executivo para o 4º. Mandato e tivemos o apoio da população para este mandato, nós fizemos um plano de governo que tinha o slogan do tempo de um novo tempo e lá estava escrito que a saúde figurava em primeiro lugar. Nós assumimos e fizemos um grande diagnostico da nossa cidade, levantado todos os problemas, procuramos identificar qual é o potencial do município e fixamos como horizonte para 2027 que nossa meta era chegar ao Top 10 Brasil, do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), sendo que a ideia era chegar entre os 10 melhores IDH do país.  Um dos pilares do IDH é a área da saúde, principalmente a questão da longevidade. E para que esse objetivo fosse alcançado, uma vez que hoje a expectativa de vida em Tarumã é de 76.8 anos de vida. Na prática, de acordo com esse diagnostico técnico, o índice ideal era de dois pontos acima para se alcançar a longevidade desejada.

O proposito em termos de crescimento de longevidade e expectativa de vida, era colocar Tarumã entre os primeiros a nível de Brasil. E aí então buscamos focar toda a nossa energia , sobretudo na área da saúde , em cima desse grande anseio. Face a fixação dessas metas, fomos atrás de recursos junto ao governo estadual e federal, através de emendas parlamentares, pois só com o dinheiro da Prefeitura isso não seria possível,  ficando difícil a sua viabilização. 

No ano de 2020, fizemos um investimento de 24.18 por cento  na saúde, superando o índice do governo para esta área, que era de 15 por cento. Em decorrência desse esforço, fizemos mais de mil cirurgias  nesses 4 anos. Fizemos um conjunto de ações especializadas para tentar limpar a nossa demanda reprimida. Trouxemos para Tarumã uma estrutura de telemedicina, que é uma grande ferramenta. Para se ter uma ideia, o relatório do Ministério da Saude  que mostra agosto de 2020 , o índice de doenças crônicas teve uma redução de 45 por cento no número de óbitos e a DCNT (doenças não transmissíveis),que são  a diabetes, cardiologia, obesidade .

Estudos apontaram que a grande maioria de óbitos do município são derivados da DCNT.  Na medida que temos 100 óbitos por ano, tem –se 24 óbitos com origem no DCNT. Tivemos 45 por cento de redução desses óbitos entre agosto de 19 a agosto de 20. São vidas que foram salvas por conta do processo. E quanto maior for a expectativa de vida e de longevidade, vai alongando o processo do índice de IDH. Então, houve um grande avanço o sistema da telemedicina, que foi sem duvida uma grande conquista para Tarumã.

Além disso fomos construindo equipamentos públicos. Um deles foi uma Unidade da Estrategia de Saude da Familia. Além disso, foi a implantação de um complexo de saúde com pronto atendimento 24 horas, que a gente até tinha, mas mal acomodado,em prédio velho e face a essa situação fomos a luta em busca de recursos com a finalidade de construir um Complexo de Saúde. Com uma Unidade de Pronto Atendimento de 24 hs, com salas de urgência para atender o dobro da demanda existente, com cerca de 16 especialidades dotadas com raio X, com ultrassom, com exames especializados em Tarumã, com sistema de lavanderia ultramoderna e  já preparando para uma segunda etapa, que é a construção de um centro cirúgico.

Na medida em que fizemos cerca de mil cirurgias, contratando serviços de terceiros junto a Santas Casas da região, pagando com recursos fonte 1, do município, porque o SUS não dá conta. A nossa quota de cirurgias era de 8 por mês, ou 96 no ano, o que absolutamente não atendia a demanda reprimida existente.  As mil cirurgias fizemos com dinheiro próprio do município e zeramos a fila. Em 4 anos deste ultimo mandato, conseguiríamos fazer no máximo pelo SUS cerca de 400. Desta forma, houve um ganho e com qualidade nos procedimentos e nos atendimentos, incomensurável. Em época de crise, de escassez de recursos, é preciso buscar soluções praticas, fazendo mais com menos, para melhorar a expectativa de vida das pessoas e a longevidade.  Na campanha de 16, disse ao povo de Tarumã que se fosse necessário deixar de construir um prédio, optaria investir o dinheiro na saúde para beneficiar os que mais precisam. E fizemos todas essas obras com recursos que conseguimos liberar junto ao governo e deputados através das emendas parlamentares. Construímos, desta forma, os prédios, e também as cirurgias.

Renovamos toda a frota da Secretaria da Saúde: vans, ambulâncias , transporte para pessoas com tratamento em Marilia, Jau, Botucatu e milhares de quilômetros rodados , de viagens para transportar nossos pacientes em uma frota ultra moderna ,com ar condicionado, tv interna, plataforma elevatória para cadeirantes. A Saúde recebeu um grande investimento e fechamos o ano com 24.8 do orçamento. Isso equivale para 2020, investimento de quase 13 milhões de reais. Nos 4 anos, cerca de 50 milhões de reais. É um índice invejável, mas fruto de um trabalho de austeridade e transparência, de racionalização de recursos e de engrossar o orçamento com dinheiro que fomos buscar em várias fontes.

Uma coisa interessante é que fomos buscar parcerias em diversas  fontes. Uma foi com os deputados federais e vale registrar uma grande contribuição do capitão Augusto e Samuel Moreira. Deputados estaduais ,um apoio grande do deputado Mauro Bragato. E ainda com o Rotary Club que fez uma parceria com outro Rotary dos Estados Unidos, Argentina, que fizeram uma doação de 390 mil reais, a fundo perdido, dinheiro que foi aplicado na aquisição de equipamentos do Centro de Especialidades. O Raio X passou, por exemplo, a ser digital. Essa modernização tecnológica permite que a leitura do diagnostico seja feita no próprio computador do médico, sem que ele precise ir até o centro de  atendimento  . O sistema está construído de uma forma ágil, eficaz e eletrônica. O paciente , por sua vez, tem dois laboratórios na cidade onde pode fazer a coleta de material para realização dos procedimentos indicados por seu medico. Os resultados são alimentados pelo sistema, de sorte que já fica sabendo pelo computador, sem precisar voltar ao consultório.

Para o mandato que se inicia Oscar Gozzi revelou que a prioridade é a construção do centro cirúrgico. O deputado Mauro Bragato já assumiu o compromisso de conseguir a liberação de uma verba de 500 mil preais para esta finalidade. O deputado federal Capitão Augusto já assinou emenda destinando mais 500 mil reais e o secretário de Desenvolvimento Regional, Marcos Vinholi vai contribuir com uma verba de 1,5 milhões de reais, totalizando 2,5 milhões para esse beneficio que acelerará mais qualidade no atendimento a saúde. Gozzi disse que na verdade o que vem sendo feito em Tarumã é preparar a cidade para 30 anos pra frente . Segundo o prefeito, o município pode dobrar a população de 15 para 30 mil, e ele já estará estruturado para atender as demandas desse crescimento. Em que pesem os investimentos feitos, a cidade não tem ainda um hospital, mas um complexo de saúde com especialidades já preparando a construção do centro cirúrgico. Vencida essa etapa, vai se buscar o credenciamento junto ao Ministério da Saúde. Isto posto, pode ousar fazer uma ala enfermaria para transformar o complexo de saúde num complexo hospitalar. Por enquanto o centro cirúrgico vai se dotado dos equipamentos e segurança necessários para fazer as cirurgias ambulatoriamente. Ele não precisa ficar internado, mas apenas em estado de observação. Desta forma, a Prefeitura não precisa contratar serviços de terceiros e onerar a verba da saúde.